fosmargomes@hotmail.com

Arquivos Mensais: setembro 2019


        Quando criança, aprendi que o ser humano era diferenciado dos demais animais em razão de sua sapiência, da capacidade peculiar de utilizar a massa encefálica para aplicar em prol de sua sobrevivência. Na escola, ensinaram-me que somos os únicos dotados de razão, emoção e inteligência, o que nos coloca em uma posição superior no reino animal.
 
Mas tomo emprestado de minha espécie essa tal inteligência para aprofundar em uma inquietação que há tempos corrói um grande vazio existencial, por oportuno, ainda carrego.
 
Somos a única espécie que estabelece uma disputa material sem igual, apenas para poder alimentar o ego e a vaidade. Ninguém, ou melhor, nenhum outro ser, é capaz de subjugar gratuitamente sua espécie tanto quanto nós. Colocamos cada um em seu devido lugar nas mais diversas relações de trocas sociais, a fila de embarque no aeroporto que o diga.
 
Mudamos por completo uma expressão secular, dita por respeitado filósofo, para implantar a ditadura do “tenho, logo existo”. E quanto mais tenho, quanto mais distinto é aquilo que tenho, mais exclusivo sou, mas importante sou. Mesmo que apenas em meu profundo vazio existencial.
 
Renegamos irmãos, colocamos aqueles que cuidaram de nós por toda a infância em asilos, viramos as costas e deixamos esquecidas à própria sorte em orfanatos crianças que precisam de um lar e preferimos adotar amorosos pets comprados e tratados a peso de ouro. Nada contra os pets, que naturalmente fazem parte de nossa cultura.
 
Mas tal qual o poema de Manuel Bandeira, ao retratar a decadência da espécie humana tendo como única culpada ela própria: “…o bicho não era gato, não era rato. O bicho, meu Deus, era um homem”.
 
Mas como entender que simplesmente deixamos nossos comuns morrerem de fome, enquanto nos deliciamos no banquete da ostentação? Muito se fala em mudar o mundo, salvar o mundo, evitar catástrofes, quando na verdade todo o problema está em nós mesmos.
 
Furamos a fila, brigamos por ideologias, agredimos sob a justificativa de amor ao clube do coração. O trânsito vira um ring. Estacionamos em local proibido, avançamos sinal vermelho, fazemos gestos obscenos, jogamos o carro sobre os outros, não damos passagem, que vença o mais forte. A tecnologia que deveria servir ao nosso conforto, vira uma arma sobre rodas.
 
Somos os únicos seres capazes de tirar a vida de nosso comum por questões banais, muitas vezes de forma premeditada, com total uso da nossa capacidade cognitiva.
 
Passado o tempo desde a tenra idade escolar, volto a me questionar sobre o que de fato é ser humano. Repouso-me a refletir sobre como podemos ser tão bons e ruins ao mesmo tempo baseados apenas em uma limitada visão que nos encapsula em um mundo de egoísmos, em uma retórica narrada sempre em primeira pessoa.
 
Maus por natureza? Talvez. Mas igualmente bons por essência. Ser humano é ser complexo e paradoxal em tudo que faz. Também temos a capacidade de repartir o pão. Agir para o bem comum, em um cenário tão turvo, é uma característica que ainda cultivamos, pelo menos alguns de nós. Por essa razão, quero me ater a uma situação presenciada por mim na semana que passou.
 
Aguardava um amigo em certo ponto da cidade quando avistei, do outro lado da via, um homem empurrando motocicleta, acompanhado de uma pequenina, que logo imaginei fosse sua filha. Ele acenava para os carros e sua aparência era de uma pessoa exausta. Em dado momento, um carro parou – um jovem de cor parda na direção –, a conversa se desenrolou ali mesmo. O carro saiu e lá ficou o homem sentado no meio fio.
 
Minutos depois, eis que retorna o carro. Chegou o combustível que aquele homem tanto queria para poder seguir viagem. Só aquele gesto já seria digno de reverência. O carro saiu em direção a um shopping e o homem e sua pequenina lá permaneceram. Aquilo me intrigou. Se o socorro já havia chegado, porque permanecia ali. Estaria a aplicar golpes na beira da avenida?
 
Mais alguns instantes, eis que surge aquele jovem com algumas sacolas em suas mãos, pelo menos umas oito – uma conta aproximada que arrisquei fazer. O motociclista se levanta com sua menina, o jovem vai em direção a eles e entrega as compras que acabara de fazer, imagino que no supermercado do aludido shopping. Conversas, sorrisos, apertos de mãos e um abraço selou a despedida daquele inusitado encontro.
 
O jovem regressou ao centro comercial, enquanto o motociclista, com aparente felicidade, arrumava sua pequena na garupa da moto para seguir sua viagem. Não tenho dúvidas do enorme bem que ali foi realizado a quem talvez sequer tivesse o que comer. Cheguei à conclusão que de um extremo ao outro somos capazes de tudo, para o bem ou para o mau.
 
Ali, estendendo a mão ao outro, estava o mesmo ser humano que poderia simplesmente ignorar aquela situação e seguir seu curso. Poderia ser mais um ser humano que deixa aflorar o lado mais sombrio a cometer atrocidades contra seu comum, tal como casos que já relatei aqui em alguns escritos. Mas não.
 
Naquele contexto, pude ver o ser humano na sua essência, com as qualidades mais nobres. Descobri um ser fascinante que me fez voltar a ser criança, a ter fé em nossa espécie. Um ser de luz, de paz, de alegria, de generosidade, de solidariedade, de amor, um ser humano.

 

Osmar Gomes dos Santos, Juiz de Direito da Comarca da Iha de São Luís. Membro das Academias Ludovicense de Letras; Maranhense de Letras Jurídicas e Matinhense de Ciências, Artes e Letras.


Antes que setembro termine

Vez por outra me apanho a vagar em pensamentos longínquos de uma São Luís distante desta que hoje conhecemos. Era junho de 1971, uma chuvosa noite de sábado, quando aportei na Ilha de Upaon-Açu e vi a luz elétrica pela primeira vez. A cidade praticamente se resumia à região central, que modestamente se estendia para o outro lado do mar graças a recém inaugurada Ponte José Sarney.
 
Ainda posso sentir a emoção dos pés pequeninos e descalços, que sustentava um corpo igualmente franzino, ao tocar aquele chão da praia grande naquela serena noite. Após três dias dividindo a velha lancha com porcos, galinhas e até gados, aportamos em segurança e com os poucos pertences que couberam em duas caixas de papelão e três cofos.
 
A vida escassa levava crianças daquela época a buscar algum trocado na rua para ajudar no sustento da família, algo que sempre fiz dividindo meu tempo com os estudos. Pelas ruas do centro, especialmente a Magalhães de Almeida, carregava minha cesta com pão cheio, um tipo de sanduíche com pão e carne moída, muito apreciado naquela época.
 
Trilhava rapidamente aquelas ruas. De repente, a tarefa da venda estava concluída. Não perdia tempo e estendia o expediente no ofício de vigiar carros nas portas dos restaurantes ou do comércio. Assim fui crescendo, ganhando discernimento, entendendo a vida e vendo a vida que se passava a minha volta.

O acesso à televisão me deu acesso a um mundo muito maior do que eu vivera até então, trazendo-me a ilusão de que a cidade já não era tão grande como eu imaginava. A necessidade de me deslocar para trabalhar e para estudar, notadamente para cursar o colegial e, posteriormente, a faculdade de direito me fez ter a certeza de que ainda tínhamos a expandir.

Naturalmente, São Luís era algo gigantesco perto de meu pequeno Povoado Enseada Grande, mas uma cidade modesta para aquela que por algum tempo chegou a ser uma das mais importantes capitais nos tempo áureos do Brasil Colônia.  Ainda assim, era uma cidade cheia de vida, de movimento, com uma efervescente atividade comercial.  

Juntamente, em ritmo acelerado, a cidade crescia. Bairros e conjuntos habitacionais foram sendo criados um atrás do outro, obras estruturantes, que ainda hoje se mostram fundamentais para a sociedade ludovicense, eram realizadas aos quatro cantos da capital. Pontes, aterros, avenidas, praças, hospitais, prédios públicos, portos, terminais rodoviários e hidroviários. Serviços começaram a aportar na ilha, trazendo mais conforto e comodidade para a população.
 
São Luís voltou a ser notícia nacional com bons momentos do futebol e com o título de Jamaica Brasileira, graças ao gosto pelo reggae dançado agarradinho nas dezenas de clubes pela cidade afora. Notoriedade destacada com um presidente da República maranhense, o que direcionava ainda mais holofotes para Upaon-Açu.
 
A cidade ganhou títulos, à já conhecida Atenas Brasileira, se somaram a Jamaica Brasileira, a Ilha do Amor, a Cidade dos Azulejos, a Ilha Bela. Terra de belezas culturais e materiais, que se tornou Patrimônio da Humanidade.
 
Uma cidade de mistérios que cultuam lendas que marcaram toda a sua história. A Lenda da Serpente, que um dia acordará de seu sono e levará a capital para o fundo do mar; o Palácio das Lágrimas, de acordo com a história foi palco de acontecimentos macabros; a Lenda da Praia do Olho D’água, que teria surgido das lágrimas de um amor perdido. Até a poderosa e abastada senhora Ana Jansen virou enredo desses místicos contos.
 
E assim São Luís avançou no tempo. Uma cidade que evoluiu em perfeita harmonia entre o velho e novo, que se desenvolveu com olhar nos sonhos do futuro, sem deixar para trás suas glórias do passado.
 
Assim como tantos outros, esta cidade me deixou viver. Em suas ruas eu aprendi a tua poesia, a poesia da vida, ora marcada por tragédias, ora por comédias. Senti na pele as dores e saudades no toque dos tambores que traziam uma lembrança agora longínqua de um martírio cotidiano da vida na roça.
 
Minha São Luís, quero te louvar e te agradecer. Hoje pujante e bela, continua a ser terra de oportunidades para aqueles que de ti sabem tirar a essência, para aqueles que ousam ler suas ruas, fontes, cantarias, torres e mirantes.
 
Que continue bela e linda como aquela tela que ‪há 50‬ anos conheci. Que seu boi continue urrando e os tambores ecoando a tua voz ao mundo. Que seus sobrados e telhados continuem brilhando e que Deus te conserve, regada a reggae pelos próximos 407 anos. Antes que setembro termine, parabéns, São Luís.

 

Osmar Gomes dos Santos, Juiz de Direito da Comarca da Iha de São Luís. Membro das Academias Ludovicense de Letras; Maranhense de Letras Jurídicas e Matinhense de Ciências, Artes e Letras.


        A realidade pela cor da pela

O ano era 1881. No contexto nacional, a campanha abolicionista e os movimentos por mudanças no regime político marcavam os debates sociais. Um cenário efervescente, que resultaria em mudanças na estrutura do Estado e teria reflexos diretos na economia, a partir de um novo modo de produção.
 
Dentro dessa conjuntura – com uma visão crítica, esmerando-se em detalhes de uma narrativa analítica – desenrola-se O Mulato, obra que inaugurou o Naturalismo no Brasil. O livro – somado a outras obras posteriores, como O Cortiço – fez com que Aluísio Azevedo se tornasse um dos expoentes dessa corrente literária.
 
O mulato em questão era Raimundo, filho bastardo do comerciante português José Pedro e uma de suas escravas, caso mantido com discrição por certo tempo. A descoberta gera enorme confusão, fazendo com que José leve Raimundo, ainda criança, para casa do seu irmão, Manuel. Ao regressar à fazenda, encontra sua esposa na cama com o padre Diogo. Tomado pela emoção, José mata a esposa e firma um pacto de silêncio com clérigo.
 
Nas idas e vindas, entre a Cidade de São Luís e a fazenda, José é morto a mando do padre que deitara com sua mulher. Raimundo é mandado a Portugal, onde se forma em Direito. Retornando ao Brasil, vai morar no Rio de Janeiro. Mais tarde, decide reencontrar seu tio no Maranhão, uma fase que o leva a saber detalhes de sua origem até então desconhecida.
 
Apaixona-se por Ana Rosa, sua prima, filha de Manuel, que fora prometida ao caixeiro Dias, pretexto sob o qual não concedeu a mão da filha a Raimundo. Este começa a acreditar que o motivo real era preconceito com sua origem e a cor de sua pele. Juntos decidem fugir, visto que seu amor era correspondido por Ana Rosa, mas são surpreendidos e Raimundo termina sendo assassinado pelas mãos do rival.
 
Ana estava grávida e após toda a desgraça consumada aborta a criança. Sem escolhas, se casa com o algoz de seu amado, com quem conviveu e teve três filhos. Ao final da trama comprova-se que todo mal praticado é varrido para baixo do tapete da mentira, prevalecendo a conveniência dos acordos estabelecidos.
 
A obra ” O Mulato” foi considerada polêmica para a sociedade da época, calcada nas aparências de uma profunda hipocrisia que ainda imperava em uma sociedade machista, patriarcal e marcada por condutas esmeradas caprichosamente nas aparências.
 
Costumes esses tidos, em regra, apenas dos muros para fora, bem ao estilo dissimulado de transparecer ser aquilo que a sociedade espera de si enquanto conduta social. Na vida privada retratada por Azevedo, no entanto, cada um dos tipos narrados carrega seus segredos obscuros e agem para com os outros conforme seus próprios interesses.
 
O Mulato quebra com a fase romântica dos escritos, no qual costumava predominar o “felizes para sempre”. A obra naturalista – embora com alguns traços da corrente anterior – retrata uma verdade nua e crua sem qualquer cerimônia. Por essa razão, não foi bem recepcionada pela conservadora crítica ludovicense, para a qual a servia como um espelho a refletir suas próprias atitudes.
 
Embora carregue alguns elementos românticos, a pujança naturalista é que dá o tom da obra. Isso pode ser comprovado na fundada crítica ao preconceito racial; na felicidade aparente; nas futilidades; no falso moralismo, calcado em valores cristãos professados da boca para fora; na sexualidade, que é fruto de um desejo carnal; bem como o mal se sobressaindo ao bem.
 
Com um ar fatalista, parece pretender ir do particular ao geral, como se as características dadas aos personagens representassem o comportamento médio de uma sociedade sem nenhum senso de coletividade.
 
Como consequência da pressão sofrida, Azevedo regressa ao Rio de Janeiro, onde alcançou notoriedade e viveu uma fase próspera em sua carreira. Mais tarde, O Mulato teve reconhecimento pela sua riqueza histórica ao retratar, muito antes do saudoso Nelson Rodrigues, a vida como ela é.
 
Ao melhor estilo o homem lobo do homem, em sua primeira obra naturalista Azevedo desconstrói a ideia de ser humano ideal, colocando-o como um animal sensual, materialista, egoísta, levado pelas paixões de sua alma. Uma racionalidade que atende aos seus próprios interesses.
 
O ser humano é posicionado ao melhor estilo hobbesiano – o homem é lobo do homem –, em contraposição a ideia do bem personificada no modelo rousseauniano de entender o indivíduo – o homem é bom por natureza, mas a sociedade o corrompe.
 
Para dar um tom generalista, trabalho com tipos estereotipados, como o comerciante rico e grosseiro; uma beata cheia de raiva; um padre pervertido hipócrita e assassino; uma avó preconceituosa; uma mulher adúltera; um pai com vergonha do filho com a escrava, que se transforma em um marido assassino. Uma trama no mínimo trágica, mas real.
 
Mais do que inaugurar o Naturalismo no Brasil, a obra deixa um legado histórico inestimável às gerações futuras. Sugiro sua lida com o mesmo olhar que o autor empregou ao produzi-la, de tal forma que o leitor faça seu próprio exame de consciência acerca da sua conduta enquanto cidadão.
 
O mulato descrito por Azevedo certamente continua por existir. Todas as características marcantes na obra ainda podem ser vivenciadas por alguns tipos, embora, entenda em meu particular, que a sociedade evoluiu e que hoje temos um senso maior de interesses comuns e de partilha.
Parabéns aos organizadores da FEIRA DO LIVRO EM SÃO LUÍS, pela justa homenagem a Aluízio Tancredo Gonçalves de Azevedo, meu patrono na Academi Ludovicense de Letras.

 

Osmar Gomes dos Santos, Juiz de Direito da Comarca da Iha de São Luís. Membro das Academias Ludovicense de Letras; Maranhense de Letras Jurídicas e Matinhense de Ciências, Artes e Letras.


São Luís, Ilha do amor
Tu és linda, és graciosa
Tu és janela, és meu jardim
Tu és encanto, és meu amor

Tu és bela como uma flor
És reza e és tambor
És digna de tua gente
Tu és o meu esplendor

O teu hino é uma jóia
És lindo de se ouvir
És Belo de ser cantado
Retrata a tua história

Parabéns terra amada
Pelos teus 407 anos
Que Deus te protejas muito
Para ser sempre abençoada

Repito trechos de tua louvação
Para que nunca esqueçam
O quanto és bela, és maravilhosa
Vejam parte de tua canção

“Ó minha cidade
Deixa-me viver
que eu quero aprender
tua poesia”

“Sol e maresia
lendas e mistérios
luar das serestas
e o azul de teus dias”

Parabéns SÃO LUÍS